Rota do Malhão

Passeio pedestre : Aldeia do Bispo - Valverde del Fresno 2007

A Associação Raiar, de Aldeia do Bispo, promoveu no dia 17 de Agosto 2007, uma caminhada até Valverde del Fresno.

Esta iniciativa, inserida no plano de actividades, teve como objectivo proporcionar aos participantes, não tanto uma rota de contrabando, mas um passeio pela natureza e inaugurar o percurso pedestre da rota do Malhão.

A Rota do Malhão é um itinerário estabelecido e projectado pela Raiar com o intuito de assinalar os caminhos da serra de Aldeia do Bispo e que têm uma beleza invulgar seja pela natureza, flora, fauna, paisagem, barrocos e construções como moinhos, “choços” ou sepulturas antropomórficas. O percurso está devidamente assinalado pelas indicações feitas em tabuletas de madeira, conforme os parâmetros internacionais dos percursos pedestres.

Foram muitos os participantes, 53 portugueses e 57 espanhóis vindos de Valverde. Após o “mata-bicho” feito pelas 7 horas, no Restaurante “o Enxido” o grupo português partiu da praça subindo o caminho do Valongo. À saída da aldeia, a passagem pelo marco miliário de granito, de forma cilíndrica, que assinala o início do percurso. Subindo a serra por caminhos, hoje quase intransitáveis, mas outrora muito percorridos, que ligavam aos Fóios, Vale de Espinho e Quadrazais o grupo foi seguindo as indicações das tabuletas, que passo a passo, assinalam pontos de interesse como a nascente da Ribeira de Aldeia do Bispo, afluente do Rio Águeda. A última parte desta subida foi feita junto do limite do perímetro florestal da freguesia de Aldeia Velha. No alto da Matança, em cima da mesa panorâmica de granito, então inaugurada, pudemos observar a excelente paisagem da Meseta Ibérica, formada pela cordilheira do sistema central e pelas terras leonesas do Águeda e Ribacôa.

Os amigos espanhóis, rigorosamente equipados e experientes neste tipo de caminhada, não puderam iniciar a caminhada em Aldeia do Bispo devido a obras na estrada de Navesfrías a Casilhas, que impediu a passagem do autocarro, tiveram de alterar o itinerário tendo-se agrupado mais tarde ao grupo no miradouro da Matança.
O grupo, agora mais numeroso, foi percorrendo o cume da serra a mais de 1100 metros de altitude e descendo levemente para depois do Malhão e após passagem por um marco miliário, começar a subir por estrada alcatroada até à nascente do rio Côa, em plena Serra das Mesas. 

Após breve paragem e passando pelo Lameirão iniciou-se uma outra etapa, na direcção da Serra da Malcata, circundando a aldeia dos Fóios, seguindo os marcos da fronteira, percorrendo os cumes das serras, com subidas e descidas por vezes íngremes.

Do alto destas serras da reserva da Malcata, sem linces à vista, o horizonte paisagístico é excelente. A norte, o início do vale do Côa, a sul, as paisagens dos vales e planícies da Extremadura setentrional. A chegada ao Piçarrão, já próximo do limite da freguesia de Vale de Espinho foi um momento para retemperar as forças e prepararmo-nos para a descida a Valverde.

A descida do Piçarrão, outrora percorrida por contrabandistas, que nos levou a descer até aos cerca de 550 metros de altitude, foi a ultima etapa com descidas acentuadas com vales profundos no meio de pinhais, e a flora mais mediterrânica como os medronheiros e oliveiras. O calor aumentou e o cansaço tornou-se mais visível nas faces queimadas pelo sol e nos passos difíceis pelos carreiros cheios de um pó fino que se entranhava pelo corpo. Ao fundo estava a meta: a piscina fluvial, onde sedentos cansados e alegres se cuidou e alimentou o físico dos participantes que pouco a pouco foram chegando após percorrer mais de 32 km de um percurso de dificuldade elevada. Valeu a pena.

Carlos M Fernandes

in jornal Cinco Quinas 08/2007

Ver diaporama

Similar Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *