Sepulturas escavadas na rocha
VignetteLitotumbaNo limite de Aldeia do Bispo, contam-se mais de três dezenas de sepulturas escavadas na rocha nas quais se constata uma regularidade de corte, de entalhe que obedece à divisão que fazemos do corpo humano : secção da cabeça, tronco e membros. A orientação dada ao rasgo da tumba é sempre de cabeceira em nor-noroeste e pés em su-sudeste.

Às emelhança das outras existentes um pouco por todo o país, por se encontrarem despidas de toda a figuração ou inscrição, não há unanimidade quanto às suas origens e função exacta.

O Povo diz que são sepulturas dos mouros, os arqueólogos defendem que se trata de sepulturas cristãs da Idade Média e situam o seu entalhe num alargado espaço de tempo que vai do século V ao século XII.
No entanto há quem sustente, como António Maria Romeiro Carvalho, que devido ao seu escasso numero, à sua dispersão e ao seu afastamento das povoações, não teriam tido a função de sepulturas cristãs. Seriam antes, taurobólios utilizados depois do século IV, pelos adeptos da religião mitraica para aspergir os iniciados com o sangue do touro sacrificado. De facto o culto do touro, teve nas religiões pagãs, um lugar preponderante tendo chegado até aos nossos dias alguns vestigios dessas práticas religiosas sob a forma de touradas populares, nas quais se pode integrar a capeia arraiana.
 
 Certamente que as conclusões definitivas ainda não estão confirmadas e que para isso será necessário recorrer a estudos aprofundados.
 
A compreensão dos tempos das origens, requer todo um trabalho de investigação e pesquisa, que só à força de perseverança pode contribuir para desvendar as brumas em que se deixou adormecer a “nossa” história.
Ao final, os vestigios aqui estão, discretos, silenciosos, contando só para quem quer ouvir, como se fez a caminhada rumo aos nossos dias.